Pular para o conteúdo principal

CHAPA 1 Sai na frente, derrota a Comissão Eleitoral e consegue aumentar o número de urnas e ampliar o horário de votação até as 20 h, pois não teme o voto dos professores. Entenda por quê?


Dia 3/8 requeremos a inscrição da chapa 1 no SINDEDUCAÇÃO, porém, a Comissão Eleitoral só homologaria a solicitação da nossa chapa 11 dia depois, ou seja, no último dia do prazo previsto p/ a inscrição das chapas (14/8 sexta feira).

Dia 20/8 requeremos junto à Comissão Eleitoral o aumento do número de urnas e a descentralização das mesmas, na tentativa de disponibilizar outros locais de votação, espalhados pela cidade, além das urnas dispostas no sindicato. Outra vez a Comissão Eleitoral age de forma suspeita, na medida em que, resolve indeferir a nossa solicitação e só nos comunica dia 27/8.

Não satisfeitos com a resposta da Comissão Eleitoral, dia 29/8 fomos ao MPT e requeremos deste uma intermediação, na tentativa de garantir a descentralização da eleição. Depois de tomar conhecimento da iniciativa da Chapa 1, a Comissão Eleitoral rapidamente e pela primeira vez convoca uma reunião com todos os representantes das Chapas, que foi realizada no sábado (1/9). Na ocasião voltamos a defender a ampliação do número de urnas, de 4 (previstas inicialmente) p/ 12 (sendo utilizadas 5 no sindicato e 7 nos polos com o maior número de escolas) e a ampliação do horário de votação para as 20h. Após um caloroso debate os representantes da chapa 2 resolveram concordar com o pleito defendido pela Chapa 1, já os representantes da Chapa 3 se abstiveram sobre a questão da descentralização, do aumento de urnas e da ampliação do horário de votação. A chapa 1 solicitou ainda que a lista dos professores ativos e inativos aptos a votar, fosse divulgada no site do SINDEDUCAÇÃO, para que os professores verificassem com antecedência sua situação nessa eleição. Encerrada a reunião foi lavrada a ata.

Dia 3/9 (2ª feira) a Comissão Eleitoral convoca nova reunião, desta vez somente participaram seus integrantes, além dos 5 indicados pela diretoria do SINDEDUCAÇÃO, participou também a Prof. Ana Paula, representante da chapa 1. As chapas 2 e 3 não indicaram representantes p/ compor a referida comissão. Nessa reunião foi comunicado que a Comissão Eleitoral voltou atrás e decidiu aumentar o número de urnas para 7 e ampliar o horário de votação até as 20h, mais manteve o indeferimento do processo de descentralização.

Dia 4/9 (3ª feira) o Procurador Maurel Mamede Selares mandou intimar a Comissão Eleitoral e os representantes das três chapas 1, 2 e 3 inscritas no pleito para que todos comparecessem a uma audiência no MPT dia 6/9 (5ª feira) que discutiria a descentralização da eleição. Somente compareceram a essa audiência os integrantes da Comissão Eleitoral e o candidato a presidente pela Chapa 1, Professor Antonísio Furtado. A ata dessa audiência você confere na íntegra nas imagens abaixo.



Comentários

O SINDEDUCAÇÃO foi transformado em balcão de negócios pelo grupo que está a sua frente, desde a sua fundação. Professor/a, na eleição que acontece dia 14/09 (sexta feira) você pode libertar o nosso sindicato dessas sanguessugas do suor dos professores, que tanto tem prejudicado a rede municipal de ensino de São Luís, pois eles sempre se posicionaram ao lado do prefeito e dos vereadores aliados. A luta em defesa da educação e de seus trabalhadores passa por uma única opção, vote para mudar, vote CHAPA 1!

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …