Pular para o conteúdo principal

Nova eleição do SINDEDUCAÇÃO. Uma reflexão!


Estou aqui a pensar com meus botões: A insanidade lindalviana de não reconhecer a vontade dos professores expressa através do voto na eleição do dia 14/09, de anular e convocar novas eleições para o SINDEDUCAÇÃO só serve a dois propósitos. Primeiro, caso os professores permitam que esse GOLPE prospere, ela arranca das mãos da nossa categoria o controle do SINDEDUCAÇÃO para continuar mandando e desmandando nos recursos do sindicato, e negociando o que ainda resta de direitos da nossa categoria, como sempre fez. Atrelado a isso, ela terá que pagar o favor devido à turma do PCdoB instalada na cúpula do SINPROESEMMA, que não tem medido esforços para ajudá-la a continuar no poder através de liminares conseguidas de forma suspeita. A devolutiva do grupo de golpistas que tenta arrancar das mãos da CHAPA 1 (UNIDADE PARA MUDAR)  o comando do sindicato, não virá de outra forma,  à nova gestão municipal será dado  o direito de dar as ordens dentro do SINDEDUCAÇÃO, desde o seu primeiro dia de mandato e isso potencializará a política de desmonte da educação publica municipal, bem como a política de supressão e negação dos nossos direitos.
Em vez do debate em torno da anulação e a possibilidade da realização de novas eleições, caso estivéssemos à frente do SINDEDUCAÇÃO já teríamos iniciado o debate em torno do que realmente interessa a nossa categoria, como por exemplo: A votação do orçamento da SEMED para 2013 ( aqui entra o percentual de reajuste salarial que temos direito e o pagamento deste no mês de maio); A questão da definição do 1/3 de hora atividade; A questão da estrutura física das nossas escolas; A questão da carência de professores nas UEB's; A realização de eleição direta pra diretor; A questão do pagamento das perdas salariais; A definição do término do calendário escolar 2012, dentre outras questões não menos importantes.
Reagir a essa tentativa de golpe é necessário e essa reação precisa partir dos integrantes da chapa 1, como tem partido,  entretanto, é essencial que ela também seja manifestada pelos professores  que estão na base da nossa categoria e não comungam dessa insanidade. O risco que corremos com a possibilidade de consolidação desse golpe é muito grande e suas consequências atingirão toda a nossa categoria, há muita coisa em jogo. Mesmo que 2ª eleição aconteça, é fundamental lutarmos para que o número de votantes seja inexpressivo, vamos fazer campanha contra o voto na eleição dos GOLPISTAS PELEGOS.
Por ultimo garanto a cada um dos 591 professores que votaram e tod@s aqueles que de alguma forma torceram pela vitória da CHAPA 1, que jamais deixaremos de lutar para validar o resultado da 1ª eleição, nesse sentido, movemos ação no TRT e também realizamos e vamos continuar realizando ações políticas em defesa do respeito à escolha feita pela nossa categoria, que deseja ver essa turma de PELEGOS GOLPISTAS LONGE DO SINDEDUCAÇÃO.

Fonte: http://www.facebook.com/#!/antonisio.lopesfurtado

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …