Pular para o conteúdo principal

O Plano Cohen de Lindalva Batista no SINDEDUCAÇÃO



P/ Hertz Dias- Professor de História, militante da CSP Conlutas do Maranhão e membro da Direção Eleita, Unidade Para Mudar.

No dia 10 de Novembro completou 75 anos do golpe do Estado Novo que garantiu ao presidente Getúlio Vargas ficar mais oito anos no governo (1938- 1945). Além da proximidade das datas, o Plano Cohen guarda várias semelhanças com o golpe que a “Turma do Nescau” da professora Lindava Batista está tentando orquestrar no SINDEDUCAÇÃO. É isso que vamos tentar mostrar nas próximas linhas.

O articulador do Plano Cohen foi capitão Olímpio Mourão Filho, membro da organização facista Ação Integralista Brasileira (AIB), que forjou um documento com assinatura de um fictício militante judeu e comunista chamado Cohen. O documento que data de 1937, apontava para a tomada do poder pelos comunistas que prometiam praticar inúmeras atrocidades, sobretudo contra as autoridades constituídas. Um dos trechos desse documento assinala que:

“Os raptos deverão ser executados em pleno dia, nas próprias residências, que serão invadidas por grupos de 3 a 5 homens dispostos e bem-armados e munidos de narcóticos violentos (clorofórmio, éter em pastas de algodão empapadas) e serão transportadas para pontos secretos e inatingíveis, com absoluta segurança. Em caso de fracasso, proceder ao fuzilamento dos reféns”.

Getúlio Vargas, que não estava disposto a entregar o governo no ano seguinte, aproveitou o documento para aterrorizar e convencer a população brasileira, através do programa “Hora do Brasil”, hoje “Voz do Brasil”, de que somente prorrogando o seu mandato a ordem no país seria mantida. E assim foi feito.

No SINDEDUCAÇÃO estamos vivendo uma versão micro do Plano COHEN, já que aqui se trata de um sindicato de professores e não do Estado brasileiro, porém os artifícios são muitos similares.

A diferença fundamental no caso do SINDEDUCAÇÃO é que o Plano COHEN do grupo da professora Lindalva Batista se deu depois que os grupos de Oposição, organizados na CHAPA 1, UNIDADE PARA MUDAR, ganhou a eleição para direção do sindicato ocorrida no dia 14 de setembro, enquanto o de Getúlio Vargas e do capitão Olímpio Mourão foi articulado antes das eleições marcadas para acontecer em 1938. Porém, o objetivo é parecido, prorrogar mandatos que chegavam ao fim.

Após a derrota nas urnas para a CHAPA 1, o grupo de Lindalva Batista pôs em prática a mesma sujeira política e criminalizadora que Vargas e Mourão utilizaram contra os comunistas no final da década de 1930. A questão é que o capitão Mourão do SINDEDUCAÇÃO não é homem, mas uma mulher, a professora e acadêmica do curso de Direito, Mônica Serrão, indicada pela professora Lindalva Batista para ser a presidenta da Comissão Eleitoral. Tal como o capitão Mourão, essa senhora fraudou a ata da eleição, acrescentando mais duas laudas com argumentos pra lá de aterrorizantes sobre o comportamento e as supostas intenções dos membros da CHAPA 1 e de militantes do PSTU, partido acusado de ter abusado do poder econômico e político (sic!) na referida eleição.

O objetivo dessas calúnias descabidas era provocar pânico entre os professores para que a categoria fosse convencida de que Lindalva Batista, e somente ela, fosse apresentada como a única “professora” com qualidades políticas capaz de presidir o SINDEDUCAÇÃO com poderes absolutos e vitalícios.

Nessas falsificações os membros da CHAPA 1 e os militantes do PSTU aparecem como responsáveis por distúrbios na porta e no interior da sede do SINDEDUCAÇÃO impedindo mais de 2 mil professores de ter acesso as urnas de votação. Tudo isso, apesar das imagens coletadas pela turma da presidente  biônica do SINDEDUCAÇÃO mostrarem justamente o oposto, ou seja, que quem de fato abusou do poder econômico e político foi a Chapa 3, apoiada por Lindalva Batista, pela prefeitura do PSDB, pelo PC do B e pelo Vereador Astro de Ogum do PMN.

Apenas duas pessoas se prestaram a depor junto a Comissão Eleitoral para garantir o sucesso do Plano COHEN de Lindalva Batista: uma professora aposentada com um depoimento claramente arrumado, mas completamente confuso que não sabe dizer se votou ou não. Enquanto o outro testemunho é nada mais nada menos que Anacleto Araújo, Jornalista e “funcionário” de Lindalva Batista, que além de prestar falso testemunho afirma que só com muita dificuldade teria conseguido votar. Ora, como isso foi possível se esse senhor é  o jornalista que presta serviço para o sindeducação. Será que ele tambem é professor?

                   De posse do Plano COHEN, o grupo de Lindalva lacrou a sede do sindicato e transferiu a sede da Comissão Eleitoral para a sede da UGT (União Geral dos Trabalhadores) sob a alegação de que os membros da CHAPA 1 estavam querendo invadir a sede do sindicato. Claro estava que Lindalva Batista sabia que a Chapa 1 havia entrado com pedido de Tutela Antecipada junto ao TRT (Tribunal Regional do Trabalho) para tomar posse no dia 18 de outubro, um dia depois do encerramento da gestão lindalvista. Com o sindicato lacrado e sem saber do paradeiro da “Turma do Nescau”, o juiz da 2ª Vara autorizou a um oficial de justiça que, se necessário, arrombasse as portas do sindicato, e assim foi feito. O resultado dessa ação foi publicado na internet pelo grupo de Lindalva como sendo resultado da ação da CHAPA 1 e do PSTU.

A segunda fase do Plano Cohen seria anular a eleição, e assim foi feito pela Capitã Mônica Serrão e pela advogada da Comissão Eleitoral, Doutora Ionara que, apesar de reconhecer que a ata de eleição estava fraudada, utilizou justamente as falsificações das duas laudas enxertadas para legitimar o PLANO COHEN lindalvista. E o que é mais grave, prorrogou o mandato de Lindava Batista por mais um mês, além de convocar novas eleições para o dia 28 de novembro, mesmo sabendo que Comissão Eleitoral, em lugar nenhum do mundo, tem esse tipo de poder.

Mônica Serrão, Ionara e Lindalva , simplesmente atropelaram o Estatuto  do SINDEDUCAÇÃO e o desejo da categoria de professores do município de São Luís. Mais grave ainda foi o fato de um Juiz da 2ª Vara do TRT ter endossado todas essas aberrações em um PLANTÃO reconduzindo a mesma a direção do SINDEDUCAÇÃO, deixando a categoria em completo estado de choque com tanta injustiça.

O que existe em comum entre Getúlio Vargas e Lindalva Batista é que ambos são adversários dos interesses dos trabalhadores e tentam criminalizar suas organizações mais combativas. No entanto, enquanto Vargas era um político populista e, até certo ponto, popular, Lindalva Batista é uma ex-presidenta antipopular entre os docentes. Nas duas vezes em que foi reconduzida a direção do sindicato por força de liminares concedidas em PLANTÕES matinais, apenas alguns correligionários pingados a acompanhavam. Esse fato contrasta com a confiança e simpatia que a categoria deposita nos membros na Direção Eleita.

Mas, as semelhanças não param por ai. Foi com base Plano Cohen que Getúlio Vargas suspendeu direitos constitucionais, dissolveu assembleias, extinguiu partidos políticos e governou de maneira totalitária até 1945. Lindalva Lopes também atropelou todas as instâncias deliberativas do estatuto do SINDEDUCAÇÃO  e promete realizar uma nova eleição no dia 28 de novembro.

No total a Era Vargas teve a duração de 15 anos (1930 a 1945), Lindalva Batista, por sua vez, está na direção do SINDEDUCAÇÃO há quase 20 anos e, tal com Vargas, somente a categoria organizada e mobilizada poderá por fim a seu reinado. Já vencemos nas urnas, agora é derrota-la nas ruas. Nenhum professor nas salas, nenhum voto nas urnas, todos às ruas.
Paralização Geral em repúdio ao golpe no SINDEDUCAÇÃO e a FARSA DA NOVA ELEIÇÃO.

Data: 28 DE NOVEMBRO (QUARTA-FEIRA)

CONCENTRAÇÃO: O DIA TODO EM FRENTE A SEDE DO SINDEDUCAÇÃO NO 3º CONJUNTO DA COHAB-ANIL.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Professora desmascara a propaganda do "governo da Mudança"

Neste vídeo a VERDADE sobre a realidade salarial dos educadores da rede estadual é revelada. Somente na propaganda do governo existe valorização dos educadores. Assista ao vídeo integralmente e conheça a triste situação dos professores.

Flávio Dino tem reajuste salarial e servidores estaduais, NÃO.

Onde está a Mudança?

O governo do Maranhão usa da desculpa de crise financeira e vem, há dois anos, arrochando os salários de milhares de servidores estaduais e negando seus direitos. Os professores ficaram sem ter o reajuste dos seus VENCIMENTOS em 2016 e 2017. Os professores em regime de C.E.T (CONDIÇÃO "ESPECIAL" DE TRABALHO) recebem essa gratificação CONGELADA desde fevereiro de 2015. Os funcionários administrativos, operacionais e outros, da SEDUC e das outras secretarias estão lutando para garantir, este ano, o reajuste de 6,3%, pois em 2016 não tiveram reajuste algum.



Na contramão do discurso de crise financeira e agindo  na surdina, a assembleia legislativa concedeu no último mês de fevereiro reajuste salarial, SEM PARCELAMENTO, para o governador, o vice-governador e todo o secretariado.  
Em 2017 seus novos subsídios são:
Governador: R$ 15.915,40         (16,9 SM);
Vice-governador: R$ 14.198,18 (15,1 SM);
Secretários: R $ 11.154,24          (11,9 SM).
Observação: SM = SALÁ…

O governador do Maranhão usa MP para descumprir lei estadual.

Não satisfeito em IGNORAR O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO, A LEI DO PISO e deixar os educadores da REDE ESTADUAL sem REAJUSTE SALARIAL em 2016, o governador Flávio Dino resolveu inovar e, em 2017, lançou mão de uma Medida Provisória para burlar o estatuto dos profissionais do magistério.
Educador(a), entre em contato com o/a deputado/a da sua região, peça seu apoio e diga a ele/ela que somos contra a MP 230,  da forma que foi proposta. Queremos que o governador CUMPRA o Estatuto do Magistério. Quando definirem o dia dessa votação, vamos mobilizar nossa categoria para LOTAR a Assembleia Legislativa. 
Educadores de todo o estado precisam comparecer e lutar contra a aprovação dessa MP.
NO DIA DA VOTAÇÃO DA MP 230/17 QUE VIOLA O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO  (Lei nº 9.860/2013), OS DEPUTADOS VOTARÃO aFAVOR (F)ou CONTRA (C)  A Educação e os EDUCADORES???
A MP 230/17 SERÁ VOTADA AMANHÃ NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO         E JUSTIÇA - CCJ. Seus membros titulares são:
Presidente; Prof Marco Aurélio
Relator; Dr L…