Pular para o conteúdo principal

A FARSA DA ELEIÇÃO DEMOCRÁTICA DO SINPROESEMMA REELEGEU SEUS AUTORES.


Até as 11 horas de hoje (dia 14), o resultado parcial das urnas apuradas, nas eleições para a Diretoria e o Conselho Fiscal do SINPROESEMMA, apontava vitória da “Chapa 1 – Unidade pra avançar nas conquistas” com larga vantagem. De um total de 10.878 votos válidos, 9.578 foram dados à Chapa 1, encabeçada pelo professor Júlio Pinheiro. Outros 1.300, foram para a Chapa 2, que tem à frente a professora Dolores Silva.

O processo de apuração tem sido acompanhado por fiscais das duas chapas concorrentes e por representantes de várias entidades sindicais e populares do estado. Até o momento não houve qualquer incidente, seja durante a votação e na apuração.

As eleições para a Diretoria e para o Conselho Fiscal do SINPROESEMMA (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão) começaram às 8h desta quinta-feira e prosseguiram até às 20h em mais de cem municípios maranhenses. Cerca de 29 mil filiados estavam aptos para votar.

Na sede administrativa na entidade, no Centro de São Luís, onde funcionou um dos colégios eleitorais, professores e funcionários de escolas compareceram e votaram tranquilamente, sob o olhar vigilante de candidatos e partidários das duas chapas.
Segundo o coordenador da delegacia regional de Imperatriz, Carlos Hermes, os educadores da Região Tocantina também participaram do processo eleitoral ativamente.
FONTE:http://www.sinproesemma.org.br/2012/12/14/resultado-parcial-aponta-vitoria-da-chapa-1-com-ampla-vantagem-13327.htm
 CONSIDERAÇÕES DO MRP.
O conteúdo da nota acima vende para todos aqueles que acessam o site do SINPROESEMMA uma meia verdade. Por trás das entrelinhas dessa nota esconde-se a estratégia montada pela atual gestão para inviabilizar a participação massiva dos educadores na primeira eleição direta do sindicato, nos últimos 15 anos.
Vejam só:
1- O universo de educadores aptos a votar, gira em torno de 29 mil. Desse contingente, votaram apenas 10.878 (37,51%). Em todo o estado deixaram de votar 18.122 educadores, o que corresponde a uma abstenção de cerca de 62%.
2- Observem que na nota acima não se comenta, em momento algum, o resultado da votação na ilha de São Luís, sabem porque? Mesmo com a manobra de dificultar as informações sobre os locais de votação e também ao seu acesso, a chapa 2 foi a vitoriosa. Aqui, 5400 educadores estavam aptos a votar, entretanto, a abstenção foi escandalosa. Desse universo votaram apenas 856 trabalhadores, o que corresponde a uma abstenção de cerca de 84%. Na tabela abaixo apresentamos o resultado da votação nas 15 sessões de votação distribuídas na região metropolitana que compreende os municípios de São Luís, São Jose de Ribamar, Raposa, Paço do Lumiar e Alcântara. A grande abstenção ocorrida na ilha de Upaon-açu também aconteceu em todos os locais de votação nos demais municípios, em maior ou menor percentual. Esperamos que a diretoria do SINPROESEMMA autorize a Comissão eleitoral a divulgar corretamente os resultados de todas as 238 seções eleitorais distribuídas em todo o estado.
 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …