Pular para o conteúdo principal

A Verdade e os Números Por Trás da Eleição da Farsa


 
A Verdade e os Números Por Trás da Eleição da Farsa
do Dia 28 de Novembro no SINDEDUCAÇÃO
 
 
Professoras e professores da rede municipal de São Luís, depois do grande ato do dia 28/11 que a nossa categoria protagonizou, parando suas atividades e indo para frente do SINDEDUCAÇÃO protestar e repudiar a farsa orquestrada pela Srª Lindalva Batista e seus asseclas, só podemos dizer que nossa categoria entendeu a importância de não legitimar esse golpe e apoiou a atitude tomada pela chapa Unidade Para Mudar, democraticamente eleita no dia 14/09, de não se submeter às armações da Poderosa Chefona e lutar para que a vontade da categoria não seja ultrajada.


No dia da eleição da farsa o que vimos foi a sede do SINDEDUCAÇÃO tomada de seguranças particulares e policiais militares, como se as professoras e professores que ali protestavam fossem bandidos. Quatro viaturas fizeram a segurança da Srª Lindalva Batista enquanto a população da Cohab e vizinhança ficavam desprotegidas. Além dos seguranças, dos policiais, dos componentes das chapas da farsa e de seus familiares, poucos professores foram ao sindicato legitimar a farsa. A maioria dos “peladinhos” que votaram eram diretores de escolas, técnicos administrativos da SEMED e alguns aposentados. Lembre-se que na eleição de 14/09 não houve liberação, mas nesta a SEMED foi “boazinha”. Isso mostra mais uma vez de que lado a Srª Lindalva Batista está.

O nosso sindicato tem que estar a serviço da luta da categoria e não a serviço de um grupo que quer se perpetuar no poder, esse grupo fecha os olhos para os educadores, que se manifestam continuamente contrários à sua permanência na direção do SINDEDUCAÇÃO. Prova disso foi a participação em massa, centenas de professores que compareceram para repudiarem o golpe, e endossaram o abaixo assinado exigindo a anulação desta eleição e a posse imediata da Direção Eleita, Unidade Para Mudar. O fiasco da eleição também demonstra a insatisfação da categoria, para votar compareceram apenas 3,5% dos professores sindicalizados e menos de 2% da categoria como um todo.

Para a surpresa de todos, a comissão eleitoral, a mesma que fraudou a ata da eleição do dia 14/09, anunciou que 580 professores votaram. Perguntamos por onde estes professores entraram? Pela porta da frente do sindicato é que não foi. Por lá entraram, seguramente, menos de 300 professores e professoras, conforme registro feito na entrada do SINDEDUCAÇÃO. Ou será que existe uma porta secreta no SINDEDUCAÇÃO? Por incrível que pareça estamos diante de fortes indícios de uma fraude da fraude, para os matemáticos, uma fraude ao quadrado.

Tudo leva a crer que a Srª Lindalva Batista foi “obrigada” a fraudar a fraude para não sair ainda mais desmoralizada do que já está. Diante da recusa da categoria em legitimar a sua farsa, ela resolveu aumentar o número de votantes. O descaramento não foi maior porque a categoria estava de prontidão e vigilante em frente ao sindicato. O difícil é explicar de onde vieram os 480 votos da chapa da farsa, pois nem mesmo alguns componentes e apoiadores da Chapa 3 se dispuseram a votar, uma vez que não concordam com a anulação da eleição do dia 14/09. Além disso, a Chapa Laranja não teve coragem de fazer campanha, até que tentou, mas foi escorraçada das escolas pela categoria. Que milagre foi esse, o da multiplicação dos votos?

Mas é interessante observar que mesmo se considerarmos os dados apresentados pela comissão eleitoral interventora, em relação à eleição do dia 14/09, menos da metade votou, ou seja, se na eleição verdadeira votaram mais de 1200 pessoas, na eleição da farsa, que aconteceu no dia 28/11, menos de 600 pessoas votaram. Com relação aos professores ativos, esse percentual cai para menos de 10%. Prova cabal de que os professores que vivem a realidade caótica das escolas não toleram mais a permanência desse grupo no poder. Com isso, caem por terra todas as supostas alegações que levaram a comissão eleitoral fraudulenta a anular as eleições em que a Unidade Para Mudar foi vitoriosa.

Outro absurdo foi a rapidez com que a Comissão Eleitoral Interventora divulgou o resultado desta Farsa.  A eleição encerrou às 17h e o resultado foi divulgado às 18h. Lembramos que o resultado da eleição do dia 14 de setembro só foi divulgado às 3h da manhã do dia seguinte. Isso significa dizer que os falsários se quer se preocuparam em contar os votos ou se contaram tão rapidamente foi por que eram tão poucos. Para completar, o grupo da professora Elizabeth assumiu no mesmo dia, enquanto a Direção Eleita, Unidade Para Mudar, até hoje não foi empossada.

Diante do exposto, reafirmamos nosso compromisso de luta e acreditamos que somente juntos podemos derrotar os inimigos da categoria. Muitas lutas em defesa de nossa carreira e de uma educação de boa qualidade nos esperam, tais como: 1/3 hora atividade, eleição direta para gestor de escola, reajuste salarial baseado na lei do piso, paridade entre aposentados e ativos, cumprimento efetivo do calendário escolar sem prejuízo para os alunos e professores. No entanto, com Lindalva Batista e seus seguidores, passando por cima da decisão da categoria, impedem que essas lutas sejam encampadas, pois não têm legitimidade, coragem e nem independência para tocar a luta da categoria.

Que fique bem claro perante a categoria que quem anulou a eleição do dia 14 de Setembro e prorrogou o mandato de Lindalva Batista não foi o TRT e sim a Comissão Eleitoral Interventora cujos membros foram indicados pela ex-direção, que já previa fazer isso caso o grupo da professora Lindalva Batista perdesse a eleição. Ao TRT-MA resta ainda julgar um agravo, que pode nos reconduzir à direção do SINDEDUCAÇÃO, e o mérito final de todo o processo. Por isso, vamos continuar recolhendo as assinaturas da categoria para entregar ao TRT-MA. Nossa meta será atingir a maior parte da categoria, pois não é justo manter na direção de um sindicato um grupo que a categoria não reconhece como legítimo. A bela e corajosa resposta que foi dada no dia 28 de Novembro deve ter continuidade no grande ato que faremos no TRT-MA.

 

DATA do Ato: 18 DE DEZEMBRO (TERÇA-FEIRA)

CONCENTRAÇÃO: 9h da Manhã na Praça da Bíblia, próximo ao Parque do Bom Menino com caminhada em direção ao Tribunal Regional do Trabalho, localizado no bairro Areinha. 

DIREÇÃO ELEITA, UNIDADE PARA MUDAR!

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …