Pular para o conteúdo principal

Reflexão sobre a greve da rede estadual


Bom dia a tod@s! Hj não contive meu desejo de dar vazão ao sentimento que hora me domina e farei uma pequena leitura de todo o processo que se dá em torno do movimento paredista puxado pela diretoria do sinproesemma, dia 23 de abril. Colegas educadores, inicialmente pergunto: O INSTRUMENTO GREVE SERVE MESMO PRA QUE? Todos nos somos sabedores que greve é um instrumento histórico de luta usado pela classe trabalhadora, em todo o mundo, para garantir e/ou ampliar direitos. A greve da rede estadual de 2013 requer de nos uma análise criteriosa, para que dentro em breve não venhamos a nos assustar com o seu desfecho e as CONSEQUÊNCIAS do mesmo.
O objeto maior de disputa é a aprovação de uma PROPOSTA DE NOVO ESTATUTO, que será transformado na lei que regerá a carreira de todos os profissionais da educação estadual básica. Diante desse contexto pergunto e aponto:
1- Quem de nós que compomos a base da categoria tem em mãos a proposta que está sendo negociada?

2- A disputa em prol da aprovação do novo estatuto, em tese, deveria ocorrer entre os educadores e o governo, porém, isso não ocorre. O que se verifica é que ela é travada longe dos educadores e se dá a portas fechadas nos gabinetes do governo, entre seus técnicos e a diretoria do sindicato. Esta ultima, se fecha em copas e limita-se a colocar seus asseclas para espalhar factoides no seio da categoria.Essa novela nós já conhecemos muito bem e sabemos todo o enredo do seu desfecho final.

3- Esse movimento paredista nem comando de greve possui, isto é, todo o seu controle está nas mãos da diretoria PELEGA DO SINPROESEMMA. Diretoria essa que tem o passado que tem e que fez de tudo para manter o professorado distante das discussões em torno da proposta do NOVO ESTATUTO.

4- Porque que a diretoria do sindicato se nega a realizar a ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA para rediscutir a PROPOSTA DO ESTATUTO DO EDUCADOR? Pq nem mesmo as assembleias regionais a diretoria do sindicato convoca para avaliar o MOVIMENTO PAREDISTA?

5- A todos aqueles que defenderam a adesão da categoria A GREVE para disputa-la por dentro, PERGUNTO: conseguiram modificar alguma virgula da PROPOSTA DO ESTATUTO DO EDUCADOR???? Qual é a estratégia, ela não existe???? Se a resposta é não, certamente DESCULPAS NÃO VÃO FALTAR PARA JUSTIFICAR O FRACASSO DO MÉTODO, na medida em que, tudo indica que o desfecho desse processo se aproxima. A categoria muito provavelmente não será beneficiada com essa estratégia, mas certamente os objetivos escusos, ah! esses sim, de alguma forma foram alcançados, né mesmo?????
Vou me deter por aqui, mas volto a afirmar: não vejo outra forma de equilibrar as forças entre a categoria e a diretoria do SINPROESEMMA no contexto desse processo, nos apostamos todas as nossas fichas na ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA CONVOCADA PELO ABAIXO-ASSINADO DOS ASSOCIADOS DO SINDICATO, para tentar evitar que nossa categoria seja golpeada mais uma vez
Diante do exposto pergunto: Educador(a), vc já reparou em que terreno vc está pisando e pra onde estão te levando?????

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …