Pular para o conteúdo principal

Prefeitura de São luis e diretoria do SINDEDUCAÇÃO trabalham de maos dadas contra a valorização do professor.


Reza a constituição brasileira no Art. 212. A União aplicará, anualmente, nunca menos de dezoito, e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios vinte e cinco por cento, no mínimo, da receita resultante de impostos, compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino.
Sendo assim, de acordo com a lei maior desse país, a prefeitura de São Luís deve reservar, no mínimo 25% das receitas provenientes de impostos e transferências constitucionais previstas para a MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ( desse percentual mínimo, 20% corresponde às receitas do FUNDEB). O montante resultante da diferença 25% - 20% = 5% deve custear as demais ações de MDE, desconsiderando-se as já custeadas com os recursos oriundos do FUNDEB.

Estranhamente, o portal da transparência da prefeitura de São Luís prevê  uma receita de R $ 218.860.075,00 ( confira no link: http://www.lei131.com.br/portal/f?p=450:2:0::NO:RP,2:P2_VISAO:21&cs=3F13051B47060DC0BE9ED5CC15E0E509F) e uma despesa de R $ 244.800.654,96 (confira no link: http://www.lei131.com.br/portal/f?p=450:2:0::NO:RP,2:P2_VISAO:23&cs=3B4527A0180564A8E6B439074E5EB2096). Qualquer um pode perceber que essa conta não fecha e o que é pior, o portal aponta o FUNDEB como a única fonte de recursos para o custeio das ações na pasta da educação.
Detalhe, a previsão de recursos referentes ao FUNDEB (São luís)  atualizada, com base na portaria interministerial de nº 4 de 7 de maio de 2013, corresponde ao montante de R $ 255.064.945,70. Diante desse contexto pergunta-se:  a gestão  Holandina não vai aplicar o mínimo de 25% (CF/88 e LDB/96) na manutenção e desenvolvimento do ensino da cidade, esse ano???  A previsão atual supera a do inicio do ano em mais de 16%, porém, a diretoria GOLPISTA DO SINDEDUCAÇÃO iludiu nossa categoria e fez de tudo para aceitarmos o reajuste mínimo de 9,5%. Essa manobra teve com maior beneficiário a própria prefeitura que, desde então, tem conseguido reservar um montante de recursos, para outras despesas, nunca antes visto em São luís. Diante desse contexto está explicito que mais uma vez a diretoria do SINDEDUCAÇÃO é parceira da prefeitura e sendo assim, seus esforços visam beneficiar diretamente o executivo municipal, em detrimento dos reais anseios e necessidades dos educadores.
Observe a tabela abaixo:
  fonte: Prefeitura e  FNDE/MEC
Atenção! nessa tabela trabalhamos com dados aproximados, referentes as folha de pagamento dos meses de janeiro e fevereiro. Os dados da terceira coluna (ECONOMIA MENSAL) resultam da diferença entre os valores da 2ª coluna - 1ª coluna.
Observem que não consideramos a receita com o pagamento do 13º salário, que alias, com a antecipação da sua 1ª parcela para maio, a prefeitura fez uma senhora economia. Também desconsideramos a receita resultante do pagamento e/ou promessa de pagamento do reenquadramento, titulação, progressão e outras vantagens. Ainda assim, afirmamos que os recursos do FUNDEB da prefeitura poderiam custear um reajuste salarial maior que 9,5% e assegurar o pagamento de todas as outras vantagens elencadas anteriormente. Atualmente a prefeitura usa pouco mais de 60% da media mensal de repasses do FUNDEB para garantir o pagamento da folha do magistério. Durante a campanha salarial de 2013, não conquistamos um reajuste maior, porque o controle do nosso sindicato está nas mãos de pessoas do PCdoB que controlam pastas estratégicas dentro da SEMED, sendo assim, durante todo o processo de negociação as cartas foram dadas por eles. Os membros da diretoria do SINDICATO não passam de marionetes e ventríloquos em suas mãos, na medida em que, só fazem o que seus "chefes" determinam.  Em 2014, quando da prestação de contas da aplicação dos recursos do FUNDEB/13, o que denunciamos aqui será evidenciado e muitas mascaras irão beijar o chão. 
Pra finalizar, perguntas que não querem calar: Quando nossa categoria terá acesso à listagem dos professores que foram contemplados com o reenquadramento? Será que a diretoria do SINDEDUCAÇÃO vai apresentar à nossa categoria os critérios por ela utilizados na triagem q definiu quais profissionais têm o direito ao reenquadramento funcional? E os retroativos que o professor tem direito, como será garantido seu pagamento? Com a palavra a diretoria GOLPISTA DO SINDEDUCAÇÃO.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …