Pular para o conteúdo principal

Prefeitura de São luis e diretoria do SINDEDUCAÇÃO trabalham de maos dadas contra a valorização do professor.


Reza a constituição brasileira no Art. 212. A União aplicará, anualmente, nunca menos de dezoito, e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios vinte e cinco por cento, no mínimo, da receita resultante de impostos, compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino.
Sendo assim, de acordo com a lei maior desse país, a prefeitura de São Luís deve reservar, no mínimo 25% das receitas provenientes de impostos e transferências constitucionais previstas para a MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ( desse percentual mínimo, 20% corresponde às receitas do FUNDEB). O montante resultante da diferença 25% - 20% = 5% deve custear as demais ações de MDE, desconsiderando-se as já custeadas com os recursos oriundos do FUNDEB.

Estranhamente, o portal da transparência da prefeitura de São Luís prevê  uma receita de R $ 218.860.075,00 ( confira no link: http://www.lei131.com.br/portal/f?p=450:2:0::NO:RP,2:P2_VISAO:21&cs=3F13051B47060DC0BE9ED5CC15E0E509F) e uma despesa de R $ 244.800.654,96 (confira no link: http://www.lei131.com.br/portal/f?p=450:2:0::NO:RP,2:P2_VISAO:23&cs=3B4527A0180564A8E6B439074E5EB2096). Qualquer um pode perceber que essa conta não fecha e o que é pior, o portal aponta o FUNDEB como a única fonte de recursos para o custeio das ações na pasta da educação.
Detalhe, a previsão de recursos referentes ao FUNDEB (São luís)  atualizada, com base na portaria interministerial de nº 4 de 7 de maio de 2013, corresponde ao montante de R $ 255.064.945,70. Diante desse contexto pergunta-se:  a gestão  Holandina não vai aplicar o mínimo de 25% (CF/88 e LDB/96) na manutenção e desenvolvimento do ensino da cidade, esse ano???  A previsão atual supera a do inicio do ano em mais de 16%, porém, a diretoria GOLPISTA DO SINDEDUCAÇÃO iludiu nossa categoria e fez de tudo para aceitarmos o reajuste mínimo de 9,5%. Essa manobra teve com maior beneficiário a própria prefeitura que, desde então, tem conseguido reservar um montante de recursos, para outras despesas, nunca antes visto em São luís. Diante desse contexto está explicito que mais uma vez a diretoria do SINDEDUCAÇÃO é parceira da prefeitura e sendo assim, seus esforços visam beneficiar diretamente o executivo municipal, em detrimento dos reais anseios e necessidades dos educadores.
Observe a tabela abaixo:
  fonte: Prefeitura e  FNDE/MEC
Atenção! nessa tabela trabalhamos com dados aproximados, referentes as folha de pagamento dos meses de janeiro e fevereiro. Os dados da terceira coluna (ECONOMIA MENSAL) resultam da diferença entre os valores da 2ª coluna - 1ª coluna.
Observem que não consideramos a receita com o pagamento do 13º salário, que alias, com a antecipação da sua 1ª parcela para maio, a prefeitura fez uma senhora economia. Também desconsideramos a receita resultante do pagamento e/ou promessa de pagamento do reenquadramento, titulação, progressão e outras vantagens. Ainda assim, afirmamos que os recursos do FUNDEB da prefeitura poderiam custear um reajuste salarial maior que 9,5% e assegurar o pagamento de todas as outras vantagens elencadas anteriormente. Atualmente a prefeitura usa pouco mais de 60% da media mensal de repasses do FUNDEB para garantir o pagamento da folha do magistério. Durante a campanha salarial de 2013, não conquistamos um reajuste maior, porque o controle do nosso sindicato está nas mãos de pessoas do PCdoB que controlam pastas estratégicas dentro da SEMED, sendo assim, durante todo o processo de negociação as cartas foram dadas por eles. Os membros da diretoria do SINDICATO não passam de marionetes e ventríloquos em suas mãos, na medida em que, só fazem o que seus "chefes" determinam.  Em 2014, quando da prestação de contas da aplicação dos recursos do FUNDEB/13, o que denunciamos aqui será evidenciado e muitas mascaras irão beijar o chão. 
Pra finalizar, perguntas que não querem calar: Quando nossa categoria terá acesso à listagem dos professores que foram contemplados com o reenquadramento? Será que a diretoria do SINDEDUCAÇÃO vai apresentar à nossa categoria os critérios por ela utilizados na triagem q definiu quais profissionais têm o direito ao reenquadramento funcional? E os retroativos que o professor tem direito, como será garantido seu pagamento? Com a palavra a diretoria GOLPISTA DO SINDEDUCAÇÃO.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Gov. Flávio Dino manobra para prejudicar os professores

GOVERNO DE FLÁVIO DINO APLICA MAIS UM GOLPE NOS PROFESSORES
Após descumprimento reiterado da lei do piso, com única exceção no ano de 2015; mutilação do Estatuto do Magistério (Lei 9.860/2013) de forma a provocar a curto prazo um verdadeiro achatamento salarial; utilizar-se de ardil, com apoio do Ministério Público para opor recurso sobre as execuções da Ação de Descompressão Salarial e assim não cumprir com o determinado na sentença para pagar os professores o valor relativo ao interstício de 5% não cumprido; o governo do estado mais uma vez mostra que não respeita ou prestigia a categoria e ataca as execuções sobre a incorporação e pagamento da diferença salarial de 21,7%, interpondo recurso denominado de exceção de pré-executividade nas execuções. As execuções estão sendo interpostas em razão de decisão do STF, transitada em julgado, em ação interposta pelo SINTEP/MA(Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado do Maranhão), em que o governo do estado do Maranhão deverá d…