Pular para o conteúdo principal

Raio X da paralisação na rede estadual - São Luis

Participamos hoje do ato convocado pela diretoria do SINPROESEMMA na Deodoro e o que assistimos lá é no mínimo lamentável, senão vejamos:



É do conhecimento de todos os professores da ilha que a maioria das escolas aderiu à paralisação, porém, compareceu à atividade na praça Deodoro menos de 1% do professorado da ilha, que é superior a 7 mil, sequer ocupamos toda a escadaria da biblioteca Benedito Leite. Esta é uma evidência clara de que a esmagadora maioria do professorado da capital já não suporta mais as manobras e mentiras dos dirigentes do SINPROESEMMA que tanto têm nos prejudicado. 

Nas diversas falas dos dirigentes do sindicato observamos as mais descabidas justificativas para que o governo continue descumprindo o acordo firmado com o SINPROESEMMA no final da greve (maio/2013). Dentre as falas nos chamou bastante atenção a parte que dizia: O mais importante do acordo é a concessão das milhares de PROGRESSÕES prometidas para janeiro de 2014.
O presidente do sindicato e seus asseclas bradavam aos quatro cantos da Deodoro:  se o governo não fizer a concessão das progressões o ano letivo não será iniciado. Interessante é que as perdas geradas pelo não cumprimento de parte do acordo nesse segundo semestre de 2013 já foram desconsideradas pela diretoria do sindicato. Nesse sentido ficou explicito que continuaremos a receber o resto das diferenças salariais de forma parcelada, aos inativos sequer foi informado se estes receberão ou não o reajuste concedido aos ativos e a concessão das titulações e promoções continuará sendo realizado no sistema conta-gotas, isto é, o governo as concederá na quantidade que quiser.

Para nós está explicito que a postura do governo Roseana-PMDB, no que diz respeito ao descumprimento do acordo e da negativa de diversos dos nossos direitos não mudará com ações inexpressivas como as paralisações mensais realizadas pelo SINPROESEMMA.  A diretoria do sindicato sabe disso, porém, no atual momento, optou por teatralizar uma suposta reação às ações nefastas do governo estadual, pois seus diretores entenderam que o melhor momento para fazer o enfrentamento do governo Roseanista será o do início do ano letivo de 2014. 

Essa estratégia servirá aos dois propósitos da diretoria do SINPROESEMMA: 

1- Agindo assim, espera dar satisfação aos professores diante da postura do governo;
2 - Pretende fazer da greve um palanque político para os candidatos do PCdoB que pululam dentro e fora da diretoria do sindicato.

Aos nos professores está posto o desafio de acompanhar ou não está estratégia da diretoria do SINPROESEMMA. Outra vez fica evidente que para os membros da diretoria do sindicato fala mais alto os seus interesses políticos eleitoreiros e particulares.  
Precisamos reagir aos ataques permanentes do nefasto governo Roseanista, porém, fazer a luta capitaneada pela diretoria do SINPROESEMMA, sem a garantia da autonomia da base da nossa categoria, só nos conduzirá a uma derrota atrás da outra, a exemplo da mais recente greve que resultou num acordo que nunca será cumprido e na aprovação de um estatuto prejudicial à carreira de todo o magistério estadual. Precisamos compreender que nós temos que ser protagonistas na construção e manutenção permanente da luta em prol da defesa e ampliação dos nossos direitos e por educação pública maranhense de qualidade, pois a diretoria do sindicato já demonstrou por inúmeras vezes que nem em sonho deseja desempenhar tal papel.

Atenção! Lá nos foi informado que a próxima paralisação acontecerá dia 27/11.

 Observação: Se algum professor/a desejar fazer um relato das atividades na sua cidade, envie-nos por e-mail que publicaremos aqui no blog.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…