Pular para o conteúdo principal

A GREVE CONTINUA, EDIVALDO A CULPA É TUA!


A luta continua e continua porque os professores compreendem que não há outra alternativa para a categoria, a não ser continuar com a luta, pois a INDIFERENÇA do prefeito Edivaldo Holanda Jr (PTC/PCdoB), dos vereadores e do secretário de educação diante dos graves problemas pelas quais passam a maioria das nossas escolas e da nossa pauta de reivindicações, não nos deixa escolha.
Nossa greve foi iniciada dia 22/5 e de lá para cá a prefeitura não responde nossos pleitos e o único ponto que ela tem tratado diz respeito ao percentual de reajuste. Nesse caso específico não temos avanço e sim retrocesso, na medida em que, inicialmente foi ventilada a possibilidade de reajuste no percentual parcelado de 8,32% e nas ultimas semanas, o governo fez uma contraproposta ILEGAL E IMORAL de reajuste salarial no percentual de 3%. Tanto a primeira proposta como a segunda são inaceitáveis e ilegais, POIS CONTRARIAM A LEI DO PISO. A postura irresponsável do governo se sustenta no discurso falacioso de dificuldade financeira e na lei de responsabilidade fiscal. Nesse caso, o prefeito, os vereadores da sua base aliada e seu secretariado falam, falam... mas não evidenciam os números que, em tese, comprovariam essa tal de dificuldade financeira. Sr prefeito somos sabedores que  a remuneração dos profissionais do magistério é custeada integralmente pelos recursos do FUNDEB e nesse caso, não há dificuldade financeira, pois os recursos já depositados na conta  do fundo, cresceram em mais de 20% desde o inicio do ano até a 1ª quinzena de junho e já chega ao montante de R $ 147.201.814,64, isso corresponde a uma media mensal de repasses já efetuados no valor de R $ 24.533.635,77. Hoje a folha de pagamento dos profissionais do magistério gira em torno de R 16.200.000,00 o que evidencia que o prefeito tem recursos financeiros suficientes para assegurar o reajuste que pleiteamos e que é garantido por lei federal, no percentual de 19%.
Observe: Aplicando-se o reajuste no percentual legal de 19% sobre o valor da folha atual, esta passaria a ser de R $ 19.278.000,00 o que é perfeitamente pagável, na medida em que, a prefeitura conta com uma média mensal de recursos do FUNDEB  no valor de R $ 24,533.635,77.


Para nós do MOVIMENTO DE RESISTÊNCIA DOS PROFESSORES-MRP,  está explícito que não faltam recursos financeiros para resolver o problema do reajuste salarial da nossa categoria e para se buscar a superação dos graves problemas que afetam as escolas da rede municipal de ensino, na medida em que, a educação não conta só com os recursos do FUNDEB,  o que falta é vontade política do prefeito Edivaldo Holanda Jr (PTC/PCdoB)  e de seus aliados em garantir o direito das nossas crianças e os dos educadores. Sr Prefeito, apareça e explique onde o seu governo está aplicando os recursos da educação, pois os fatos evidenciam que na rede municipal de ensino o que tem chegado é insuficiente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…