Pular para o conteúdo principal

Panfleto do MRP usado na semana de luta

FLÁVIO DINO E EDIVALDO HOLANDA DESCUMPREM A LEI DO PISO E DÃO CALOTE NOS EDUCADORES
MOVIMENTO DE RESISTÊNCIA DOS PROFESSORES-M.R.P
São Luís - MA, Março de 2016. http://mrp-maranhao.blogspot.com.br/


Mais uma vez os educadores do Maranhão são vítimas das ações descomprometidas dos governos estadual e municipal, em que direitos fundamentais para a qualificação da Educação Pública do Estado/Município passam a ser violados promovendo uma situação de descaso e de aprofundamento da política de precarização do ensino público. De mãos dadas, os governos estadual e municipal de São Luís, desde Janeiro insistem no total descumprimento da recomposição salarial prevista nos estatutos do Magistério e Lei do Piso. Na verdade, essas ações demonstram um total descaso com a melhoria da Educação no Estado, visto que os argumentos utilizados para o descumprimento das leis que garantem os diretos dos educadores não passam de palavras inconsistentes e sem nenhuma comprovação concreta. Segundo o argumento do governo, o não cumprimento do reajuste do Piso decorre da falta de condições financeiras do Estado e do Município. Tal argumento não passa de mais uma tentativa de falsear a verdade para tentar  enganar os educadores. Vale lembrar que os recursos destinados à Educação são constitucionalmente determinados por leis próprias e, consequentemente, não devem estar  vinculados aos interesses partidários ou particulares dos governantes. Nesse sentido, o que os governos estão fazendo é impondo a política do calote aos Educadores.

O GOVERNADOR MENTE QUANDO DIZ NÃO TER RECURSOS PARA CUMPRIR A LEI

 O governador tenta justificar sua opção em negar os direitos dos educadores alegando, ora a falta de disciplinamento do FUNDEB por parte do MEC/MF, ora a crise financeira. Interessante é que a primeira alegação não se sustenta, assim como a segunda, pois o MEC e o Ministério da Fazenda já editaram dia 30/12/2015, a portaria de nº 11, que trata da operacionalização do FUNDEB /2016. Confira integralmente essa portaria no link: https://www.fnde.gov.br/fndelegis/action/UrlPublicasAction.php?acao=abrirAtoPublico&sgl_tipo=PIM&num_ato=00000011&seq_ato=000&vlr_ano=2015&sgl_orgao=MF/MEC
A referida portaria já está em vigência e isso confere valores maiores por cada aluno matriculado nas diferentes modalidades de ensino da escola pública, seja ela estadual ou municipal e isso se reverte em mais recursos para todos os entes federados (ESTADOS, MUNICÍPIOS e DF)
Na tabela abaixo apresentamos um comparativo entre os repasses do FUNDEB ocorridos nos anos de 2015 e 2016, no período de JANEIRO A FEVEREIRO.
Mês: JAN/FEV
Valor do Repasse em R $ (2015)
Valor do Repasse em R $ (2016)
Aumento
Total
234.927.226,89
289.273.735,62
23,13%
Atenção! Os dados acima foram retirados do site do Banco do Brasil. De acordo com eles, podemos perceber que somente nesse período a receita do FUNDEB ESTADUAL cresceu 23,13%. Diante do exposto está explicito que mesmo com o cenário de crise na economia do país, no caso específico do FUNDEB, ainda não se constata a presença dos efeitos negativos da crise. Isso evidencia que o governo não concede o reajuste salarial de 11,36% aos educadores, não por falta de recursos, mas porque ele impõe sua vontade política de priorizar outros interesses de sua gestão.
Diante desse contexto nada animador, nós precisamos compreender que se não fizermos a LUTA em DEFESA DOS NOSSOS DIREITOS, a direção do sindicato não fará e aí o governo avançará sobre eles e imporá a todos nós perdas incalculáveis, assim como aprofundará a crise na educação estadual, em função de tudo que está em jogo.

 PREFEITO EDIVALDO ABANDONA AS ESCOLAS MUNICIPAIS E ATACA OS DIREITOS DOS EDUCADORES

A gestão educacional do prefeito Edivaldo Holanda Jr (PDT) é desastrosa e ele já pode até ter conseguido a proeza de superar a infeliz gestão de João Castelo (PSDB), nessa área. Na maioria das escolas municipais de São Luís o que não faltam são problemas. Ha carência de pessoal docente, operacionais, vigilantes, etc. assim como de materiais didáticos pedagógicos e outros. A insegurança permanente nas unidades de ensino é algo que tem potencializado a tragédia da violência no ambiente escolar.
Estamos no último ano da atual gestão e pela pasta da educação já passaram dois secretários. Em 2013 assumiu a pasta Alan Kardec (PCdoB), que por sua vez foi substituído por Geraldo Castro (PCdoB) e hoje, responde pela SEMED o Prof. Moacir Feitosa (PPL).
De 2013 para cá, a maior marca da gestão do prefeito Edivaldo na área educacional consiste na potencialização das políticas de arrocho salarial e da negação de direitos dos educadores, assim como a de desmonte do sistema de ensino público da capital.
SINPROESEMMA E SINDEDUCAÇÃO: APARELHOS POLÍTICO E ELEITORAL DOS GOVERNOS

Na atual conjuntura tanto o SINPROESEMMA quanto o SINDEDUCAÇÃO se transformaram em aparelhos de defesa dos interesses governamentais e isso se dá por que suas diretorias se recusam a fazer a luta em defesa dos direitos dos educadores. Essa situação se evidencia mais ainda no caso do SINPROESEMMA, pois sua cúpula diretiva  pertence ao mesmo partido político do governador Flávio Dino (PCdoB) e como aliados que são, passou a ocupar importantes cargos de confiança no primeiro escalão do governo. Ao fazer isso, os diretores colocaram seus interesses, privilégios pessoais e eleitorais em prejuízo dos professores.  Observem a tabela abaixo:

NOME
CARGO NO SINDICATO
CARGO NO GOVERNO
Odair José Neves Santos
Sec. de assuntos educacionais
Presid. da Comissão C. Licitação
Júlio C. Rêgo Guterres
Sec. de Imprensa
SEC. ADJUNTO DO TRABALHO
Wiliandckson A. Garcia
Sec. Formação Sindical
SEC. ADJUNTO NA SEDUC-MA
Marden Val Ramalho
JORNALISTA
ASSESSOR NA SECON

JUNTOS SOMOS MUITOS, JUNTOS SOMOS MAIS, JUNTOS SOMOS FORTES.
Nesse momento devemos entender que existe o compromisso social e político que é o de estarmos permanentemente mobilizados para que juntos possamos fazer o enfrentamento necessário aos ataques atuais do governo, com a clareza e a plena consciência de classe que as condições adversas só vão ser superadas pela luta conjunta da nossa categoria. A história nos ensinou que a luta coletiva é o principal instrumento de transformação e, nesse sentido, convocamos a todos a se entrincheirar para construirmos uma nova educação de classe e com qualidade social.
AGENDA DE LUTA NA SEMANA
DIA
ATO
LOCAL
QUARTA
Agenda do SINPROESEMMA
-----------------------
QUINTA
MARCHA DO SINDEDUCAÇÃO
ASSEMBLEIA do SINPROESEMMA
8 h na DEODORO
9h Associação Comercial
SEXTA
DEBATE SOBRE FUNDEB
17 h Sind. BANCÁRIOS




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …