Pular para o conteúdo principal

REPOSIÇÃO DAS AULAS

Segundo informações os DIRETORES DAS ESCOLAS, tem apresentado documento de reposição das aulas, com o calendário incluindo todos os sábados e o mês de julho integral, que segundo estes é fruto de acordo com a direção do sindicato. Bem ,se o acordo está sendo feito com a direção do sindicato, que estes ministrem aulas nas férias,talvez só assim saibam a nossa realidade, porque nós é que não devemos ceder a  mais este capricho despropositado da Secretaria de Educação.
Injustificada a exigência de término do ano letivo em 23/12, até mesmo porque o ENEM vai ocorrer em outubro (ainda estaríamos dando aula, mesmo sem a greve) e maio (quando já teremos encerrado o ano letivo sem nos escravizar e sobrecarregar o aluno).
Portanto, professores não se deixem intimidar, vamos tomar a decisão coletivamente em reunião, que se realizar-se-á na data de 04/06 (sábado) às 09:00h no CEGEL, e não mais no sábado próximo, em razão do concurso do TJ-MA, onde vários professores ou serão fiscais ou candidatos.Até lá!

Comentários

ROBERTO RAMOS disse…
Mais uma vez o sindicato prova ser ilegítimo. Eles negociam reposição sem de aulas sem de fato atenderem os interesses dos professores da base.
Roberto Ramos
Nadja disse…
Mesmo considerando que nem todas as escolas estavam em greve, não devemos tomar decisões isoladas - por escola/turnos. Aulas em julho é engodo; no ano passado, qd recém-nomeados e contratados foram forçados a trabalhar, foi um fiasco; pouquíssimos estudantes e junção de turmas; tudo porque o Governo quis acelerar o calendário.
Aceitar isso é ratificar o descompromisso do Governo com a educação pública.
Marcelino disse…
É importante que nós pressinemos a direção do Sinproessemma a se pronunciar publicamente sobre essa situação.
RAQUEL PEREIRA disse…
Concordo Marcelino...

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …