Pular para o conteúdo principal

A greve do SINPROESEMMA serve para anular a aplicação da lei do PISO na valorização do magistério estadual, a partir da aprovação do estatuto do educador.

A diretora do SINPROESEMMA vem distribuindo um panfleto nas escolas e nele apresenta as razões pelas quais o professor deve fazer a greve. Confira-o no link:http://sinproesemma.org.br/wp-content/uploads/2013/04/Porque-estamos-em-greve_panfleto.pdf

Nesse panfleto nos chama atenção a afirmação, OS EDUCADORES COBRAM:

  1. A CORREÇÃO DO PISO SALARIAL APLICADO LINEARMENTE NA NOVA TABELA SALARIAL. ( Observem que a diretoria do SINPROESEMMA não evidencia qual o percentual de reajuste que ela defende. Sabem porque ela age dessa forma? O percentual de reajuste que ela defende é ILEGAL e GOVERNISTA, na medida em que contraria a lei do PISO, seu valor é de 7,97%. O percentual legal, é de 20,16%. O piso que o professorado esta defendendo nessa greve é ILEGAL, seu valor é de R $ 1.566,64 para uma jornada de 40h e de R $ 783,32 para a jornada de 20h). Em vez disso devemos defender o piso pautado na lei federal de nº 11.738/08 que este ano tem o valor de R $  1.743,52 para a jornada de 40h.
  2. IMEDIATA EFETIVAÇÃO DE 25 MIL PROGRESSÕES. ( Aqui a diretoria finge desconhecer o artigo 69 da proposta do  ESTATUTO DO EDUCADOR que ela defende) veja o que ele diz: É assegurada a promoção, a titulação e a progressão, com base nos critérios da legislação vigente, aos Professores e de Especialistas em Educação do Subgrupo Magistério da Educação Básica.
Parágrafo único – A efetivação das progressões dos profissionais do Subgrupo Magistério da EducaçãoBásica, que, na data da implantação desta Lei, tenham direito adquirido, será feita de forma escalonada, no prazo máximo de 04 (quatro) anos, mediante acordo firmado entre a Secretaria de Estado da Educação, a Secretaria de Estado de Planejamento e o Sindicato de classe.

Alem das questões pontuadas sobre o panfleto da diretoria do sindicato, nos chama atenção o fato de que seus dirigentes agem intencionalmente no sentido de não esclarecer a nossa categoria como se dará o processo de ENQUADRAMENTO NA NOVA TABELA SALARIAL e O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO NA CARREIRA ATRELADO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO.
Porque será que a diretoria do sinproesemma não quer rediscutir esses 3 pontos conosco? Podemos realizar esse debate em duas ou três semanas, porém, o discurso da diretoria do sindicato é o de que não temos mais tempo e isso não é verdade.

Educadora(a), reflita sobre a decisão que você já tomou ou que ainda venha a tomar, façamos greve sim, como sempre fizemos, entretanto, façamos a luta em prol da aprovação de um novo estatuto que possa trazer benefícios para toda a nossa categoria e consequentemente para a educação estadual. Para que isto aconteça é necessário garantir, primeiramente, a rediscussão dos pontos maléficos da proposta do ESTATUTO DO EDUCADOR. O que se está fazendo no presente momento com os educadores é um verdadeiro atentado ao magistério estadual  e é consequência da IRRESPONSABILIDADE DA DIRETORIA DO SINPROESEMMA, que no afã de garantir seus interesses particulares e/ou político partidário induz os professores a fazer greve dessa forma.



Comentários

QUANDO VAI SER A PROXIMA ASSEMBLEIA DO SINDICATO PARA DISCUSSÃO COM A CATEGORIA???
não ha previsão de realiza-la.

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Gov. Flávio Dino manobra para prejudicar os professores

GOVERNO DE FLÁVIO DINO APLICA MAIS UM GOLPE NOS PROFESSORES
Após descumprimento reiterado da lei do piso, com única exceção no ano de 2015; mutilação do Estatuto do Magistério (Lei 9.860/2013) de forma a provocar a curto prazo um verdadeiro achatamento salarial; utilizar-se de ardil, com apoio do Ministério Público para opor recurso sobre as execuções da Ação de Descompressão Salarial e assim não cumprir com o determinado na sentença para pagar os professores o valor relativo ao interstício de 5% não cumprido; o governo do estado mais uma vez mostra que não respeita ou prestigia a categoria e ataca as execuções sobre a incorporação e pagamento da diferença salarial de 21,7%, interpondo recurso denominado de exceção de pré-executividade nas execuções. As execuções estão sendo interpostas em razão de decisão do STF, transitada em julgado, em ação interposta pelo SINTEP/MA(Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado do Maranhão), em que o governo do estado do Maranhão deverá d…